Luz, câmeras, emoção! 

Elizete Moura | Administradora de Empresas

Fotos Thiago Mesquita | Divulgação

O grande cinema teve início na França, de 1895, com os irmãos Auguste e Louis Lumiére.

Filme “Viagem a Lua”, de 1902, baseado na obra de Júlio Verne

Aos amantes da sétima arte, mais conhecida como cinema, este artigo tem como objetivo trazer fatos, curiosidades, informações e muitas emoções. O grande cinema que hoje conhecemos, não teve seu início, na empolgante Hollywood, mas, na França de 1895, com os irmãos Auguste e Louis Lumiére, que após pesquisas para adaptar o então cinetoscópio de Thomas Edson, artefato que juntamente com outro equipamento, o cinetógrafo, refletia e captava as imagens respectivamente. A curiosidade e criatividade humanas já buscavam formas de expressar e se comunicar através da arte, seja transcrevendo cenas do dia a dia, ainda que de forma primitiva (é o caso das pinturas rupestres), ou na narrativa de ações cotidianas (a Alegoria da Caverna, de Platão, por exemplo). Como tudo começou de fato? Com a primeira sessão, exibida pelos irmãos Lumiére para aproximadamente 30 pessoas na França, e essas exibições tinham caráter meramente documental, as imagens captadas eram exibidas despretensiosamente, sem o cunho de entretenimento, por exemplo: eram gravadas imagens de paisagens, pessoas caminhando pelas ruas, e um fato curioso e engraçado é que nesta primeira sessão foi exibida a imagem de um trem chegando à estação, até aqui nada de mais, né?! No entanto, os espectadores, ao virem a imagem em movimento pela primeira vez, tiveram a sensação de que o trem invadiria o local, o que causou espanto a ponto de saírem correndo do local (Ah! o cinema e as sensações que ele nos traz). Pois bem, contextualizados sobre suas origens, partamos para sua evolução, onde o cinema é alçado a um novo patamar, com a presença de Georges Méliès, que não teve o reconhecimento de sua engenhosidade por seus contemporâneos, tornando-se reconhecido apenas póstuma e recentemente. A Méliès, podemos atribuir a criação de profissões como roteirista, figurinista, diretor, continuísta e tantas outras, a criação de efeitos especiais tão futuristas para a época, a trucagem e diversos efeitos, que sem os quais hoje não teríamos a tão poderosa indústria cinematográfica dos dias atuais. Um de seus primeiros filmes, que nos mostra a grandeza de sua criatividade, e é considerado o primeiro filme de ficção científica “A trip to the moon” – “Viagem a Lua”, de 1902, baseado na obra de Júlio Verne, nos mostra a curiosidade humana sobre o espaço. O filme de 14 minutos traz a Lua com a face de homem e um grupo de cientistas que desbravam esse inóspito território, vale a pena assistir e se encantar com esta pérola. Para saber mais sobre esse personagem e sua contribuição para a história do cinema recomendo “A invenção de Hugo Cabret, dirigido pelo brilhante Martin Scorsese, de 2011. O filme é de aventura, também baseado no livro de Brian Selznick, e traz um pouco da história desse ícone, apelidado por Chaplin de “O Alquimista da Luz”. Com vasta obra, Méliès pode ser considerado o revolucionário e primeiro cineasta da história, embora tenha falecido anônimo e pobre. É isso, essa fascinante Arte abrange muito mais do que possamos imaginar, com suas histórias, e contribuições. Espero que gostem das indicações e até a próxima!

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *