Stop Hate For Profit

Pare de odiar por lucro

O Stop Hate For Profit é liderada por nove organizações de defesa dos direitos civis dos Estados Unidos e surgiu pela primeira vez em julho, quando reuniu 1.200 empresas e organizações sem fins lucrativos, incluindo Ben & Jerry’s, Starbucks, Unilever e Diageo que optaram por pausar seus gastos com anúncios no Facebook, objetivando pressionar a discussão do papel do Facebook na divulgação de informações incorretas e  na propagação de ódio.

Além do boicote dos anúncios no Facebook e, mais recente, no Instagram, o Stop Hate For Profit  exige destas redes sociais a obrigação em derrubar grupos focados na supremacia branca e para aumentar os recursos no monitoramento dos grupos de discurso de ódio e, ainda, garantir a precisão em questões políticas e eleitorais.

Usuários de alto perfil da rede, incluindo Kim Kardashian West, Katy Perry, Leonardo DiCaprio e Mark Ruffalo  aderiram recentemente ao  movimento,  aumentando a conscientização sobre o tratamento da desinformação pelo Facebook. Postando em seus canais sociais, Kardashian West admitiu que, embora goste de se conectar diretamente com seus fãs, ela “não poderia ficar sentada e em silêncio enquanto essas plataformas continuam a permitir a propagação de ódio, propaganda e desinformação.” Os boicotes anteriores contra o Facebook e o Google tiveram resultados insignificantes. Mas desta vez pode ser diferente por causa dos contextos sociais e de negócios mais amplos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Políticas de Privacidade e Termos e condições, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.