ONDA DE OTIMISMO 

Aliteia Milagre | Serifa Comunicação

NOVOS LANÇAMENTOS MOSTRAM REAÇÃO

DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM UBERLÂNDIA

O setor da construção civil, que sentiu os efeitos causados pela crise econômica nos últimos quatro anos, começa a mostrar sinais de recuperação, com crescimento do crédito imobiliário, retração no número de demissões e novos lançamentos previstos. Acompanhando a tendência nacional de reaquecimento, em Uberlândia, o setor apresenta lançamentos em várias regiões da cidade. No setor Sul, somente a Brasal Incorporações, que há quatro anos aposta em Uberlândia, depois do sucesso lançamento do Triad, investe R$ 200 milhões na construção do condomínio vertical de três torres Sense Vertical Living. Assim como o primeiro empreendimento na cidade, o Sense Vertical Living, também se constitui de três torres, sendo Sense Touch (96 apartamentos de 151 m² e duas coberturas privativas de 315m²), Sense Wind (92 apartamentos de 135m²) e Sense Lumini (80 apartamentos de 115m²). Todas as torres propõem uma nova forma de vivenciar o futuro, já trazendo as tendências de tecnologia, sustentabilidade, mobilidade e compartilhamento como principais aliadas. De acordo com o diretor da Brasal Incorporações filial Uberlândia, Guilherme Sacramento, a empresa com sede em Brasília escolheu mais uma vez a cidade para investir pelo potencial uberlandense. “Chegamos em 2015 num momento difícil no mercado, mas apostamos na cidade diante de tudo que ela nos apresentava e no decorrer desse tempo o retorno foi muito positivo. O sucesso do primeiro empreendimento motivou a construção do segundo com 274 apartamentos. Por mês, recebemos 60 visitas de potenciais clientes procurando o imóvel e isso nos deixa confortável para tomada de decisões. Sem dúvida, o Sense vem completar o sucesso do Triad na cidade. A proposta é oferecer um produto com muito valor agregado e que traduza qualidade e desempenho numa região consolidada e com potencial de crescimento, o que só valoriza o empreendimento”, enfatiza.

Além da Brasal, outras empresas que escolheram Uberlândia para investir foram as da capital mineira: Altti Center e a Aquila Participações. Trazendo expertise na área, os empreendedores, que primam por oferecer construções elaboradas com total conforto, tecnologia de ponta e design arrojado, construirão no Granja Marileusa, na Zona Leste, o Edifício Inovvatti Center com 18 andares. O edifício corporativo contempla estacionamento rotativo com 246 vagas, bicicletário, auditório e salas corporativas de 25 a 432 m² com salas de reuniões de uso comum, quatro elevadores modernos e estrutura para instalação de ar-condicionado em todas as salas. O investimento chega a R$ 45 milhões. Ao escolher Uberlândia, o empresário José Augusto Castanheira, da Construtora Altti, considera que não teve dúvidas de que a cidade tinha potencial para receber esse modelo de negócio. “Tomando conhecimento da proposta do Granja Marileusa, vimos que é diferenciada e gerida por grandes empreendedores. Uberlândia é polo interessante e possui uma vida econômica e  empresarial ativa, estando entre as melhores cidades do Brasil para se investir. Esses fatores nos encorajaram a expandir nossas marcas para a cidade. Queremos começar a construir no segundo semestre deste ano”, revela Castanheira. Ele explica que o empreendimento é voltado para quem procura imóvel para negócios. “Será construído num lugar privilegiado, próximo ao Aeroporto e Distrito Industrial. Primamos pela estética e acabamento de excelência, com estacionamento rotativo que servirá para quem tem negócio como para quem vai frequentar. Também teremos bicicletário, vestiário, um andar com auditório e três salas de uso comum para reuniões maiores. Os elevadores serão inteligentes e de alta velocidade, visando otimizar o fluxo de pessoas. Também temos um projeto de energia fotovoltaica para suprimentos em áreas comuns e internet de alta velocidade com fibra ótica”, explica o empresário. Em relação ao mercado imobiliário, José Augusto salienta que o ano é de esperança. A evolução da economia pressiona para esse crescimento. “Com a mudança no governo, a tendência para a estabilidade fica favorável. Em 2017, fizemos dois lançamentos em Belo Horizonte e estamos com obras em execução. Em 2018 também entregamos empreendimento grande e estruturamos um novo projeto na capital e que vamos lançar este ano ainda. Nos últimos anos crescemos. Não paramos de empreender”, observa. Atualmente, o bairro Granja Marileusa tem 750 mil m² construídos só na sua primeira fase.

Mãos à obra

Com melhores perspectivas, incorporadoras e construtoras têm mesmo visto 2019 com bons olhos e começam a acelerar os trabalhos. Outro empreendimento que acaba de ser anunciando na região Sul é o Zona Sul Hotéis, a primeira torre hoteleira na região. Classificada com três estrelas, o Zona Sul Hotéis será erguido em uma área de 14.500 m², localizada dentro do terreno do Uberlândia Shopping. A torre com 15 andares e 220 apartamentos será um dos mais modernos de Uberlândia. As obras começarão no quarto trimestre desse ano e terão duração de aproximadamente 36 meses. De acordo com o superintendente do Uberlândia Shopping, Fredson Dourado, os empreendedores optaram em construir dentro da área do shopping pelo fato de estar numa região com mercado potencial de crescimento e de fácil acesso. Além de os clientes utilizarem o Hotel, a interligação com o shopping possibilitará ainda mais conveniência já que terão acesso aos serviços, compras, lazer e entretenimento, a pé e com segurança. A última análise de mercado da construção civil realizada em Uberlândia pela Brain Bureau de Inteligência Corporativa aponta que o setor pode estar iniciando um novo ciclo de crescimento. A empresa afirma que o crescimento robusto dependerá de medidas a serem adotadas pelo governo, como a retomada de obras paradas e a continuidade do Programa Minha Casa, Minha Vida. Tratando de unidades verticais lançadas, a análise registrou 5.188 unidades em 2017 contra 3.320 em 2018. No entanto, em 2018 foram vendidas mais unidades que em 2017, sendo 3.238 unidades a mais.

De acordo com estimativas da Fundação Getúlio Vargas em 2019, a Construção Civil deverá registrar crescimento de 2,0% em seu PIB. Será o primeiro resultado positivo depois de cinco anos consecutivos de queda. Essa estimativa foi realizada levando-se em consideração o crescimento de 2,5% da economia, de uma política de reequilíbrio das contas públicas, além da reforma da Previdência. Na visão do presidente do Sindicato da Habitação Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (Secovi), empresário Ronaldo Arantes, o termômetro para perceber o mercado é o percentual do PIB nacional. “Se a economia do país fica debilitada, o setor da construção sofre as consequências. As coisas tendem a melhorar no segundo semestre desse ano, mas dependemos muito de como a economia e o PIB reagirão: se melhoram também melhoramos em locação e em venda. O mercado está no mesmo patamar de 2018, com leve aquecida nesse ano, em torno de 20%. Para destravar o processo é necessária que haja a reforma da Previdência e a desburocratização para empreender”, enfatiza Arantes.

No geral, as perspectivas para 2019 são positivas. De acordo com a fundadora e sócia da TRi Investimentos, consultora em gestão empresarial Tomaídes Rosa, a tendência é a volta dos investimentos. “O mercado financeiro não está remunerando como antes, por isso a tendência é investir até para valorização futura e isso inclui investimento em imóveis. Sem dúvida, haverá um aquecimento na economia. A Zona Sul, por exemplo, está valorizando porque as pessoas estão vindo trabalhar e morar aqui. Há também uma mobilização para a revitalização do Centro da cidade. Estamos vivendo um momento de esperança, o que não dá para dizer é a velocidade que essa grande retomada da economia ocorrerá”, avalia.  A consultora ressalta ainda que no setor da construção civil, a grande certeza é o mercado de hotelaria. “Na Zona Sul será o primeiro e a região que está repleta de negócios só tem a ganhar com o hotel”. De acordo com o Visite Uberlândia, a cidade tem 47 hoteis e outros três estão em construção.  O presidente do Sindicato das Indústrias da Construção Civil do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (SINDUSCON-TAP), Efthymios Panayotes Tsatsakis, afirma que Uberlândia é uma cidade com potencial para o turismo de negócios e há necessidade de investimento no setor hoteleiro. “Precisamos ainda estimular o turismo de eventos que é um grande nicho de mercado”. Ele enfatiza ainda que, no geral, as vendas de imóveis em 2018 foram positivas e que para esse ano aguardam a decolagem do plano Minha Casa Minha Vida. “Torcemos para que as restrições orçamentárias impostas pelo governo federal destravem os repasses ao programa, que responde a 68% do mercado imobiliário brasileiro, gerando emprego e renda”, analisa Panayotes. Atualmente, o Minha casa minha vida oferece a famílias com renda de até R$ 9 mil, taxas de financiamentos menores, além de subsídios que chegam a 90% do valor do imóvel. O programa já lançou mais de 5,5 milhões de imóveis, reduzindo o déficit habitacional brasileiro em 2,8% ao ano, segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *